Dicas para escritores iniciantes

Antes de começar, já vou avisando que eu não sou uma escritora profissional, nunca fiz nenhum curso ou graduação no ramo da escrita, e não sou nenhuma expert., mas desde pequena tenho uma grande paixão pela escrita. E se tem uma coisa que amo nessa vida, é contar histórias. Com isso, hoje vou compartilhar com vocês algumas dicas que aprendi com o livro do grande Stephen King, sobre a escrita, e um pouco do que aprendi com o meu dia a dia nessa profissão tão linda e maravilhosa.

   O primeiro passo para escrever um livro obviamente é ter uma ideia. Como se consegue uma ideia? Lendo, assistindo a filmes e séries, ou até mesmo observando a vida alheia (talvez a vizinha esteja escondendo algum romance épico, ou é uma assassina nas horas vagas). Consequentemente quanto mais você lê, mais ideias você tem, além de aumentar seu vocabulário e aprender muito sobre a arte da escrita. King recomenda abandonar a TV e focar nos livros.

   Já tive ideias enquanto falava comigo mesma, enquanto sonhava, enquanto ouvia uma música, gente, as ideias vêm dos lugares mais extraordinários – ou não. Dizem que quem fala sozinho é muito criativo (ou provavelmente esquizofrênico), e falar consigo mesmo lhe rende cada história… Acredite. Quando deito minha cabeça no travesseiro, começo a inventar histórias para pegar no sono, e disso também já surgiu muitas ideias. Sonhe, e sonhe muito.

   Com a ideia na cabeça, surge uma grande pergunta: Por onde começo? Pelo inicio? Não necessariamente, Stephenie Mayer começou da metade, até o final, e depois voltou para o inicio. Já tive livros que nasceram de uma frase, ou um pequeno diálogo, coloque isso no papel e se tiver dificuldades, comece daí, você vai ver que a partir do momento que começa a escrever, a história vai começar a fluir. Imaginar a história do começo ao fim, antes de começar a escrever, principalmente os eventos principais, ajuda muito.

   Você tem que começar por algum lugar, não adianta ficar parado em frente a uma página em branco e não se arriscar, se ficar perdendo seu tempo pensando em como começar, nunca vai de fato começar. Não tenha medo de iniciar com alguma coisa ruim, diante de um computador você pode apagar e reescrever o quanto quiser, e ai entra outra dica do King: Seu primeiro rascunho vai ser seu trabalho nu, você precisa reescrevê-lo, mas para isso você precisa dar um tempo, vais perceber que toda a vez que ler seu manuscrito, vai querer alterar alguma coisa. Sempre. Geralmente quando você da um certo tempo para seu livro, você e sua história acabam amadurecendo, e na hora da reescrita ela vai ficar bem melhor. King recomenda escrever com a porta fechada e reescrever com a porta aberta, você precisa se desligar do mundo ao seu redor quando escrever, foco nas palavras.

   E o vocabulário? É muito importante ter um vocabulário amplo, e você só vai conseguir isso devorando um dicionário. Brincadeirinha, você consegue lendo. Não tente ser um escritor se você não lê uma página por dia, um bom escritor não suporta passar um dia sem ler no mínimo um capítulo. A gramática é muito importante para o trabalho também, mas você não precisa perder a cabeça com ela, sempre haverá alguém para corrigir seu trabalho, eu como exemplo sou péssima em gramática, e isso não me impede de escrever.

   King também da a seguinte dica: tenha seu próprio estilo, nunca copie o estilo de outra pessoa, é o seu jeito de contar uma história que vai atrair as pessoas. Mas cuidado, não mude seu estilo para agradar os outros, em primeiro lugar você deve escrever para si mesmo, se o seu estilo lhe agrada, não deve ser mudado por nada nesse mundo, assim como sua história, se você gosta dela assim porque diabos vai mudar? Por que uma pessoa lhe deu uma critica super negativa? Meu amigo, sempre haverá pessoas que vão odiar seu trabalho, assim como vão haver pessoas que vão amá-lo, foque no segundo publico e bola pra frente, eu mesma já cheguei a parar de escrever quando recebi uma critica super negativa de meu próximo livro, e agora me sinto uma tola. Eu escrevo porque amo escrever, e eu sou Deus em minhas histórias, então se eu quiser contar elas do meu jeito, eu vou contar elas do meu jeito, e quem quiser leia, quem não quiser não leia.

   Uma péssima história pode se tornar uma história maravilhosa se você souber como conta-la, assim como um história maravilhosa pode se tornar péssima se você não souber como contá-la. Seu jeito de escrever é que vai dizer se o livro é bom ou não.

   Cortes são muito necessários em seu livro, tire o que não for necessário para não deixar a história muito pesada, a leitura não pode em momento algum ficar chata, os cortes evitam isso junto com outros dois fatores: Parágrafos não podem se tornar longos, e não perca seu tempo explicando coisas desnecessárias, como gastar mil palavras para descrever um local, ou então usar um parágrafo inteiro para dizer que Ana tomou um chá, qual o problema com “Ana tomou um longo gole do chá”? Você só precisa dizer que Ana tomou o chá, não encha de unicórnios coloridos a pequena frase, tornando-a um texto gigante.

   A estrada para o inferno é pavimentada com advérbios, é isso que Stephen pensa sobre os advérbios, eles não são seus amigos. Ele disse, ou ela disse, já esta bom o suficiente, não encha de linguiça, deixe isso para as provas.

   Escrever todos os dias é muito importante, para King um livro não pode demorar mais do que três meses para ser escrito, diz até que devemos escrever todos os dias, de 4 à 6h ou dez páginas. Mas surge um pequeno problema: O bloqueio criativo. Se você escreve há algum tempo já passou por isso, sentar-se na frente do computador e demorar 1h para escrever um simples parágrafo de três linhas. Eu acredito que a escrita não deve ser forçada, ela deve ser fluida, quando nada surge em sua cabeça, não force, de um tempo, vá fazer outra coisa, e só volte para frente do computador quando for capaz de escrever sem demorar um ano para formular alguma coisa. Quando você força alguma coisa, ela não acaba saindo bem, às vezes é melhor dar tempo ao tempo, é até mais gostoso de trabalhar quando você senta na frente do computador e começa a digitar sem parar, com sua mente sendo bombardeada de ideias e frases.

   Se você é péssimo de memória como eu, aqui vai uma dica: anote as coisas importantes do seu livro. Eu tenho um caderno aonde anoto muitas ideias que vão surgindo, coisas importantes que não deveria esquecer. Já tive que dizer a cor dos olhos de um personagem e parar para pensar “qual é a cor dos olhos do tio?”, por isso sempre anoto características importaras de meus personagens, faço quase como que uma tabela. E por falar em personagens, já percebeu que as pessoas não são todas iguais? Elas pensam diferentes, agem diferentes, fazem escolhas diferentes, e os seus personagens também tem que ser assim, caso contrário você vai acabar criando um livro de pessoas iguais, e não será nada agradável.

   Se você for escrever fantasia, precisa pensar muito bem em como será esse seu mundo, antes de realmente começar a escrever sobre ele. Tenho uma ideia guardada para um livro que retrata uma civilização de seres sobrenaturais, um dia desenhei um mapa de como seria essa civilização, assim quando meus heróis fossem se aventurar seria muito mais fácil de explicar o mundo ao seu redor.  É muito, muito importante, que seu universo faça sentido, você não pode se contradizer em seu livro, assim o leitor acaba se perdendo. Se à direita da cidade celestial divina tem um rio vermelho, toda vez que um personagem seu estiver ali o tal rio vai ter que estar também, rios não somem do nada povo. Deu para entender?  Com um mapa do seu mundo você acaba se orientando, e orientando o leitor, assim na hora de ler, vão conseguir imaginar o mundo que você criou. Já imaginou dizer que seus vampiros não dormem, e uma hora teu vampiro tá lá dormindo? O leitor vai acabar ficando confuso.

   Existe um método de escrita chamado método floco de neve, que possui dez etapas. Você começa com um rascunho e vai adicionando detalhes a ele, até sua história tomar forma. Em um futuro post vamos falar um pouco mais sobre isso.

   Acredito que tenha abordado tudo o que tinha em mente, se esqueci de algo conto para vocês mais tarde. Em um próximo post gostaria de falar um pouco como publicar um livro, uma tarefa nada fácil aonde você vai receber uma grande quantidade de nãos, mas não se abale. Lembre-se que todo mundo pode escrever, basta um pequeno esforço.

  Contar histórias não é a profissão mais lucrativa do mundo, e nem a mais importante, mas com certeza é a mais maravilhosa.

   Confira o vídeo em meu canal, Mundo de Fantasias, sobre este post!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s